onsdag 30 mars 2016

MST:s analys av krisen i Brasilien

What is the origin of the political crisis and what we must do as movements and the working class?

1. The nature of the crisis we are going through..

The Brazilian political crisis gained momentum and speed in recent weeks. Every day we see complaints, accusations, threats and assumptions about the outcome of this crisis. The incitements of hatred and violence from the right are increasing with threats to activists and organizations. In the midst of so much information or rumors, many may feel lost or discouraged by this situation. It is therefore important to be clear about what is at stake, who, and what interests are involved. 

The first element that we take into account to understand the current Brazilian political moment is that this crisis is not exclusive to Brazil. Rather, it is still a result of the economic crisis started in 2008, which affected numerous companies of international capitalism, countries went bankrupt and unbalanced the organization of the world economy. What is in dispute now is precisely how to organize the economy for years to come. 

Capital throughout the world has a clear design for a way out of the crisis: lower commodity prices (agricultural, oil, etc.) and reduce wages and workers' rights to ensure their rate of profit. This is the project that they are trying to deploy throughout Latin America and also involves realigning our countries with the United States. This is why Brazil is going through an offensive by the right similar to what we have seen in Venezuela, Bolivia and Argentina.

 But this way out of the crisis puts all the sacrifices and losses on the backs of workers so that capitalism can function again. This way out only increases the social crisis because in order to work  unemployment has to increase and rights have to be decreased. Moreover, the economic crisis unfolds within other crises, such as the environmental crisis, with the wanton destruction of the environment such as we have seen in Mariana (MG) with the break in the damn of toxic sludge by Samarco / Vale do Rio Doce, and the crisis in values, where what counts is every man for himself and commodities valued above human life.
In Brazil, this project is clear. It means reducing gains and social rights such as retirement (raising the retirement age), lowering wages, ending the labor portfolio (and all its achievements such as vacation, FGTS, 13 month salary). It also means handing over important mineral resources such as oil from the pre-salt layer to foreign companies, as well as hydroelectric power plants, public banks (Bank of Brazil, Caixa Economica) and suspending social projects. 

 What aggravated the economic crisis in Brazil is that, with it, we are facing a political crisis. On the one hand, we have a government that was elected to advance achievements and social rights. But it cannot fulfill the platform that got it elected. On the other hand, we have a Congress that was not elected by the people but by large corporations through millions in campaign donations. The corporations end up deciding who will be the representatives and senators and deciding how they will vote. In 2015, for example, the whole agenda of the National Congress will go against the rights of workers but will benefit corporations: such as outsourcing jobs instead of a work card, reducing the age of criminal responsibility for children of the poor, and withdrawing the exclusive right of Petrobras to explore for oil in the pre-salt layer. 

2. The real way out of the political crisis would be a profound political reform

The way out of this situation would be a profound political reform, through an exclusive constituent assembly and prohibiting private campaign donations, more transparent campaigns and creating other mechanisms for people's participation, especially on key issues through referendums .

What fueled the political crisis was called Operation Car Wash, a legitimate investigation into the resources illegally donated by companies to politicians in exchange for jobs and million-dollar contracts. Politicians of all parties are involved in the complaints, but Judge Sergio Moro, of the Public Ministry of Paraná, is only targeting the politicians connected to the Workers Party (PT).

The actions of Sergio Moro find partnership in other sectors of the judiciary and Globo Network, which illegally has access to research data and publishes only what interests it. Also the judiciary, as well as the media that acts without accountability to anyone, because they are not elected and there are no social control mechanisms in Brazilian democracy to curb the abuse of power. 

Since it did not win at the ballot box, the right's project of privatization and defending capital wants to win "on the carpet", as they say in football. They want to win by changing the rules of the game, with the game in progress and without consulting the people. For this, their first goal is to take out President Dilma Roussef. For all the mistakes that her government has committed, it is undeniable that it was democratically elected and has not been charged with any crime. Therefore, there is no basis for impeachment, for a withdrawal of the President. The only thing left is action by the right to end democracy. 

But it is not enough for the right to remove the President. The crisis is long-term and their project must also last longer. Therefore, besides impeachment, the right is working  to remove any candidate who can defeat them in again in 2018 and so it is important to tackle the Workers Party (PT) and its main leader, former President Lula. 

So far nothing has been proven against President Dilma or against the former president. But the media, especially TV Globo, and social networking feed and give wide publicity to the rumors and lies, enough to convince the workers that the events actually happened.

Since this process does not respect the Constitution, does not respect the laws or institutions, it is a coup.

Just like the military did in 1964: they pass over the population and impose their law. 

And if they do it now with a legitimately elected President, they can do a lot worse with the popular movements, also passing over our rights when we engage in struggles, detaining leaders without justification, etc. 
And to create this climate, the right also encourages right-wing sectors to organize demonstrations and attack activists, party headquarters, trade unions and movements.    

3. The true goals of the right,  of businessmen and their spokesmen in society: the world network!

In fact as capital faces a serious crisis, which means a falling rate of profit, failing companies, competition with other stronger foreign capitalists. It is also a concentration of wealth in the financial system. They need to have broad powers to make the neoliberal changes in the economy.

To recover their rate of profit they need to do away with historical rights won by workers. They need to raise the unemployment rate in order to force wages down. They need to reduce the public resources that previously went to education, health, agrarian reform, and apply all of these resources to their investment model. They want lower taxes, as if they were the ones paying ..

They need to complete the cycle of privatization, with the latest electric companies, and especially of oil, which are sources of wealth and extraordinary income for the capitalists.

But to apply this neoliberal model, they cannot make a coalition government as Dilma's government is. They need to have broad powers. And they need to make a coup, take out Rousseff and leave Vice President Temer, to do what they want.

The smoke of corruption has nothing to do with the crisis. Or do you think that after the coup, the Car Wash operation will imprison 316 politicians listed as defendants, as recipients of bribes from contractors? Or will TV Globo explain where the funds for the illegally built mansion on the beach in Paraty came from? It is of record that the parent company is the same one that paid bribes for the expenses of former president Fernando Henrique Cardoso. 

4. Our mission during this very difficult situation..            

These are difficult times, but also times of struggle. The tasks ahead are large and are not short-term. 

First, we need to study and know the situation. Bring together neighbors, friends, and have discussions, knowing the opinion of the popular movements and not getting carried away by the information that the mainstream media bombards us with every day. One should also know that the right will be more aggressive and it is important to guarantee the safety of all activists, taking care not to fall into provocations and preserve the heritage that we have built.

Second, and more importantly, we have to have struggle. To block the movements of the right, only with people on the street, discussing with society and showing our organized strenght so that they realize that they cannot go above the laws without any consequence or end democracy in our country. 

In the building of these struggles, we have to form alliances, bringing together the parties, trade unions, and men and women workers who want to struggle. A tool that popular movements have built for this battle is the Brazilian People's Front, which brings together activists from different organizations around two ideas: we must defend democracy and win more social rights with changes in economic policy.

Now the main thing is to be organized and fight. But we also need to build a Program of Emergency Measures, to help pull the country out of the crisis without taking away workers' rights, but passing the bill on to the capitalists. A program that invests in housing construction in urban centers, improves health care,  creates more jobs with much-needed works projects, which carries out agrarian reform and improves the situation of food production in the countryside.

The class struggle has intensified. Which means we have to engage in more struggles, some taking a longer time. But it is only struggle that brings achievements and the changes needed for all of Brazilian society. 

Kamp mot kuppen

Voltando à conjuntura política do Brasil e ao nosso calendário de lutas, envio aqui o calendário de mobilizações contra o golpe que irão acontecer nos vários países amanhã.


Cidade: Berlim (Alemanha)
31/03: 19h - Pariser Platz

Cidade: Barcelona (Espanha)
31/03: 18h - Plaça de Sant Jaume

Cidade: Copenhague (Dinamarca)
31/03: 16h - Rådhuspladse

Cidade: Montevideo (Uruguai)
31/03: 18h - Embaixada do Abril (Bulevar Artigas, 1394)

Cidade: Munique (Alemanha)
31/03: 14h - Consulado Geral de Munique

Cidade: Londres (Inglaterra)
31/03: 17h - Em frente a Embaixada Brasileira
14-16 Cockspur St

Cidade: Paris
31/03: 19h - Maison de l´Amérique latine

Cidade: Ciudad do México (México)
31/03: 17h30 - Fuente en Frente del Centro Cultural Brasil México - San Francisco 1220 Col Del Valle Centro -Metrobús Ciudad de los Deportes

Cidade: Santiago de Chile
17h - Embaixada do Brasil no Chile

Gostaria de includir que os Amigos do MST na cidade de Nova York participaram do Ato pela Democracia e Contra o Golpe na Union Square, em Manhattan. O ato será no dia 31 (Quinta-feira) as 17 horas (hora local).


Seria muito importante que todos/as os comitês que tenham possibilidade participem desses atos em suas cidades e ajudem a divulgá-los.

Envio abaixo mais um informe do MST sobre o atual momento político e nossas tarefas:

Qual a origem da crise Politica  e o que devemos fazer como movimentos e classe trabalhadora?
1. A natureza da Crise que estamos vivendo..

A crise política brasileira ganhou corpo e velocidade nas últimas semanas. A cada dia, aparecem denúncias, acusações, ameaças e hipóteses para o desfecho desta crise. Aumentam ainda as incitações de ódio e violência por parte da direita, com ameaças à militantes e organizações. No meio de tanta informação ou boatos, muitos podem se sentir perdidos ou desanimados com esta conjuntura. É importante, portanto, ter clareza do que está em jogo, quem está jogando e com quais interesses.

O primeiro elemento que devemos levar em conta para entender o atual momento político brasileiro é de que esta crise não é uma exclusividade do Brasil. Pelo contrário, ela é resultado ainda da crise econômica iniciada em 2008, que quebrou inúmeras empresas do capitalismo internacional, faliu países e desequilibrou a organização da economia mundial. O que está em disputa agora é justamente como organizar a economia para os próximos anos.

O capital em todo mundo tem um projeto claro para esta saída da crise: diminuir os preços de matérias-primas (agrícolas, petróleo, etc) e reduzir os salários e direitos dos trabalhadores para garantir a sua taxa de lucro. Este é o projeto que tentam implantar em toda a América Latina e passa também por realinhar os nossos países aos Estados Unidos, por isso que o Brasil passa por ofensivas da direita semelhantes ao que já temos visto na Venezuela, Bolívia e na Argentina.

Só que esta saída da crise põe todos os sacrifícios e perdas na conta dos trabalhadores para que o capitalismo volte a funcionar. Essa saída só aumenta a crise social, porque para ela funcionar tem que aumentar o desemprego e diminuir os direitos. Além disso, a crise econômica se desdobra em outras crises, como a crise ambiental, com a destruição irresponsável do meio ambiente como vimos em Mariana (MG) com a quebra da barragem de lama tóxica pela Samarco/Vale do Rio Doce, e pela crise dos valores, onde o que é vale é cada um por si e as mercadorias estão acima da vida humana.

No Brasil, este projeto é bem claro. Significaria reduzir conquistas e direitos sociais como a aposentadoria (aumentando o tempo para se aposentar), baixar os salários, acabar com a carteira de trabalho (e todas as suas conquistas como férias, FGTS, 13.º salário). Significa também entregar recursos minerais importantes como o petróleo do Pré-sal para empresas estrangeiras, assim como hidrelétricas, bancos públicos (Banco do Brasil, Caixa Econômica) e suspender projetos sociais.

O que agravou a crise econômica no Brasil é que, junto com ela, estamos vivendo uma crise política. Por um lado, nós temos um governo que foi eleito para avançar as conquistas e direitos sociais. Mas que não consegue cumprir a plataforma que o elegeu. Por outro, nós temos um Congresso que não foi eleito pela população, mas sim por grandes empresas que através de doações milionárias para as campanhas acabam decidindo quem serão os deputados e senadores e o que é que eles irão votar. Em 2015, por exemplo, todas as pautas do Congresso Nacional ião contra os direitos dos trabalhadores, mas beneficiavam as empresas: como a terceirização no lugar da carteira de trabalho, a redução da maioridade penal para os filhos dos pobres, a retirada da exclusividade da Petrobrás na exploração do Pré-sal.

 2. A verdadeira saída para a crise política seria uma reforma política profunda

A saída para esta situação seria uma profunda reforma política, através de uma constituinte exclusiva, e que proibisse a doação privada de campanha, torna-se as campanhas mais transparentes e criasse outros mecanismos de participação da população, principalmente para temas fundamentais, através de plebiscitos.

O que alimentou a crise política foi a chamada "Operação Lava-Jato", uma investigação justamente dos recursos doados ilegalmente por empresas para políticos e que em troca recebiam obras e contratos milionários. Políticos de todos os partidos estão envolvidos nas denúncias, mas o juiz Sérgio Moro, do Ministério Público do Paraná, só mira nos políticos ligados ao Partido dos Trabalhadores (PT).

A ação de Sérgio Moro encontra parceria em outros setores do poder judiciário e na Rede Globo, que ilegalmente tem acesso aos dados da investigação e só publica o que lhe interessa. Tanto o poder judiciário, quanto os meios de comunicação agem sem precisar prestar contas para ninguém, porque não são eleitos e não existem mecanismos de controle social na democracia brasileira para conter os abusos de poder.

Como não ganhou nas urnas, o projeto da direita de privatizações e defesa do capital quer ganhar no "tapetão", como se diz no futebol. Quer ganhar mudando as regras do jogo, com o jogo em andamento e sem consultar o povo. Para isso, seu primeiro objetivo é tirar a Presidenta Dilma Roussef. Por mais erros que seu governo tenha cometido, é inegável que ela foi eleita democraticamente e ainda não se provou nenhum crime ligado a sua pessoa. Logo, não existe base para um impeachment, para uma retirada da Presidenta. Só o que existe é a ação da direita para acabar com a democracia.

Porém, não basta que a direita tire a Presidenta. A crise é de longo prazo e o projeto deles também precisa durar mais tempo. Por isso, além do impeachment, a direita trabalha para que o campo popular não tenha nenhum candidato que possa derrotá-los novamente em 2018 e por isso é importante atacar o PT e sua principal liderança, o ex-presidente Lula.

Até agora nada foi comprovado contra a Presidenta Dilma, nem contra o ex-presidente. Mas a mídia, em especial a Rede Globo, e as redes sociais alimentam e dão grande publicidade para os boatos e mentiras, a ponto de convencer parte dos trabalhadores que os fatos realmente aconteceram.

Como este processo não respeita a Constituição, não respeita as leis, nem as instituições, é um golpe.

Assim como os militares já haviam feito em 1964: passam por cima da população e impõem o seu direito.

E se eles fazem isso agora com uma Presidenta legitimamente eleita, podem fazer muito pior com os movimentos populares, passando por cima também dos nossos direitos quando fizermos nossas lutas, prendendo sem justificativa lideranças, etc.

E para criar este clima, a direita ainda incentiva setores de extrema-direita a fazerem manifestações e atacarem militantes, sedes de partidos, sindicatos e movimentos.

3. Os verdadeiros objetivos da direita, dos empresários e seus porta vozes na sociedade: a rede globo!

Na verdade como o capital enfrenta uma grave crise, que significa queda na taxa de lucro,  quebra de empresas, concorrência com outros capitalistas estrangeiros, mais fortes.  E também uma concentração da riqueza no sistema financeiro,  eles precisam de ter amplos poderes para fazer as mudanças neoliberais na economia.

Para recuperar a taxa de lucro  eles precisam acabar com direitos históricos conquistados pelos trabalhadores.   Precisam elevar a taxa de desemprego, para forças os salários para baixo.  Precisam diminuir os recursos públicos que antes iam para educação, saúde, reforma agrária, e  aplicar todos esses recursos no seu modelo de investimentos.   Querem diminuir os impostos, como se fossem eles que pagam..

Precisam completar o ciclo de privatizações, com as ultimas empresas elétricas, e sobretudo do petróleo, que são fontes de riquezas e de renda extraordinária aos capitalistas.

Mas para aplicar esse modelo neoliberal, eles não conseguem fazer com um governo de coalizão como é o Governo Dilma.   Eles precisam ter amplos poderes.   E para isso precisam dar um golpe, tirar a Dilma, e deixar o Temer, para fazer o que eles querem.

A fumaça da corrupção não tem nada ver com a crise.  Ou vocês acham que depois o golpe, a operação lava-jato vai mandar prender os 316 políticos arrolados como réus, como recebedores de propinas das empreiteiras?   Ou será que a Rede Globo via explicar daonde vieram os recursos da mansão ilegalmente construida na praia de Paraty?    Consta nos registros que a empresa proprietária é a mesma que pagava as propinas dos gastos do ex-presidente FHC.

4. Nossa missão nessa conjuntura tão dificil..          

São tempos difíceis, mas também são tempos de luta. As tarefas que temos pela frente são grandes e não são de curto-prazo.

Em primeiro lugar, é preciso estudar e conhecer a conjuntura. Reunir os vizinhos, os amigos e debater, conhecendo a opinião dos movimentos populares e não se deixando levar pelas informações que a grande mídia bombardeia todos os dias. É preciso saber também que a direita será mais agressiva e é importante garantirmos a segurança de todos os militantes, tomando cuidados para não cair em provocações e preservar os patrimônios que construímos.

Segundo, e mais importante, tem que ter luta. Para barrar os movimentos da direita, só com povo na rua, debatendo com a sociedade e mostrando a nossa força organizada para que eles percebam que não podem passar por cima das leis sem nenhuma consequência, nem acabar com a democracia no país.

Na construção destas lutas, temos que formar alianças, reunindo os partidos, sindicatos, os trabalhadores e trabalhadoras que queiram lutar. Uma ferramenta que os movimentos populares tem construído para esta batalha é a Frente Brasil Popular, que reúne militantes de diferentes organizações em torno de duas ideias: precisamos defender a democracia e ter conquistas de mais direitos sociais, com mudanças na política econômica.

Agora, o principal é estarmos organizados e em luta. Porém, vamos precisar construir também um Programa de Medidas de Emergência, que ajudem a tirar o país da crise, sem tirar direitos dos trabalhadores, mas passando a conta para os capitalistas. Um programa que invista na construção de moradias nos centros urbanos, que melhore os atendimento da saúde, que crie mais empregos com obras necessárias, que faça a reforma agrária e melhore a situação da produção de alimentos no campo.

A luta de classes se acirrou. O que significa que teremos que fazer mais lutas, algumas prolongadas de mais tempo. Mas é só a luta que trás conquistas e as mudanças necessárias para toda a sociedade brasileira.

Termino,  mais uma vez, com a convocatória de nosso companheiro Ademar Bogo.

Espero ter noticias de vocês em breve.

E vamos à luta, companheiros/as!



É certo que as jornadas começaram. Sente-se pelos falatórios, o ânimo, os convites e as xingações. Esse é o tempo das tarefas mais difíceis, inscreva o seu nome na lista das convocações. Convoque-se, ocupe o seu lugar! Naquela frente faltam coordenadores; mais adiante os que lutam estão com sede; há feridos ali onde rufam os tambores. Convoque-se, faça a sua parte ou cairá nas mãos dos salteadores.

Convoque-se, não espere por chamados! O seu lugar é seu, ninguém pode ocupar. É sua a vaga reservada na trincheira; ocupe-a, chegou a hora de lutar! Coloque um sorriso nesses lábios, já endurecidos pelas decepções; lance ao diabo a amargura e o ressentimento, o momento exige novas posições! Levante-se e alargue as exigências; contemple-se com a sua proposição; o programa está aberto, abra também as portas do seu coração.

Não se prenda a resmungar sobre o passado, nem a condenar os desvios do itinerário; o que importa é que juntos estamos juntos, e os que não foram bons, no presente, são um mal ainda necessário. Faltam ombros para suportar as massas, que precisam fazer a travessia, deste vale construído com desgraças, onde reina a barbárie e a nostalgia. Todos servem quando a marcha se envereda, para lado do raiar do novo dia.

Por que as dúvidas sobre a utilidade? Se a qualidade depende da função? Pedras pisadas podem servir de ponte; texto sem rima formar uma canção. Pedras e pontes ficam onde serviram, quem vai em frente é a revolução. Convoque-se, não duvide nem reclame, dizendo que o processo é reformista. Ele mudará de consistência, na medida em que as ideias pessimistas forem transformadas em consciência, e verdadeiramente socialistas.

Invista-se! Entregue-se! Você é um patrimônio construído. Chega a hora de ser usufruído, doando-se como a água refrescante. Chegou o tempo de saber o que é ser militante, de uma causa maior que a governabilidade. Governos ficam e a causa segue em frente, se enfrentarmos os golpes e as tempestades.

Limpe o pigarro da garganta, solte o grito! Faça exercícios e longas caminhadas. Não perca tempo despoje de seu corpo, suores e gorduras acumuladas. Coloque um cinto e calce as suas botinas, proteja os braços com mangas alongadas. O corpo, a boca, a voz, a vida é tudo o que é preciso, para fazer esta marcha prolongada.

Anime-se, no fim está o começo! A história às vezes têm as suas fantasias. Há tempos que sumimos na realidade e em outros tempos renascemos na utopia. Convoque-se, não fique se esgueirando, também não espere por acenos, nas lutas, vamos ou não vamos, um corpo a mais é sempre um espaço a menos.

Chegou a hora do tudo e não do nada, por isso mesmo faça a sua parte; a luta é bela e se transforma em arte; a arte é luta nela representada. As posições devem ser disputadas, com a alegria de fazer mudanças; convoque-se, entre nesta dança, e brilhe com as suas habilidades, não dê asas nem faça crueldades, nossa causa não se move por vingança.

Convoque-se, não fique nessa: "Áh, porque ninguém me chama!". Levante-se, pare de fazer drama, é hora de fazer o que a tempo não se faz: pegar pelos chifres o satanás e acabar para sempre o egocentrismo. Se só existe um lugar como passagem, é hora de encher-nos de coragem, para passarmos no lugar da transição ao socialismo.

Ademar Bogo

onsdag 23 mars 2016

Aktuellt från Brasilien just nu

Det är riktigt otrevligt i Brasilien just nu. Fick precis ett mejl som berättar att jordägarna och polisen använder krisen för att slänga ut indianer och och jordlösa.

Först en inbjudan till en presentation av en ny bok om Brasilien, på Latinamerikainstitutet i B-huset på Stockholms universitet den 13 april.

Därunder MST:s analys på portugisiska av det politiska läget i Brasilien, de verkar  hoppas på Lula i regeringen

The Institute of Latin American Studies invites you to a seminar on the Brazilian Landless Rural Workers Movement (MST) and a presentation of the book

Challenging Social Inequality
The Landless Rural Workers Movement and Agrarian Reform in Brazil,
(Duke University Press, 2015)

In the book Challenging Social Inequality, an international and interdisciplinary group of scholars and development workers explores the causes, consequences, and contemporary reactions to Brazil’s sharply unequal agrarian structure. They focus on the Landless Rural Workers Movement (MST) – Latin America's largest and most prominent social movement – and its ongoing efforts to confront historic patterns of inequality in the Brazilian countryside. In the seminar, the editor Miguel Carter will present the book. He is accompanied by MST activist Ana Terra Reis, who will give further information on the movement.

Miguel Carter Editor of the book Challenging Social Inequality and founding Director of DEMOS - Centro para la Democracia, la Creatividad y la Inclusión Social, a new think tank based in Paraguay.

Ana Terra Reis PhD in geography at the Universidade Estadual Paulista (UNESP)/Presidente Prudente. Her thesis is entitled, “Labor and Territory: Public Policies and Resistance in Land Reform Settlements in the State of São Paulo - A Case Study of the Food Purchase Program.” Prior to this she obtained a bachelor degree in agronomy at UNESP/Jabotical. Reis has been actively engaged with the MST over the last decade. She has helped organize landless camps and has supported the development of land reform settlements in the state of São Paulo. Since 2014 she has collaborated as a professor and administrator at the MST’s national training center, the Florestan Fernandes National School, in Guararema, São Paulo.

Date and time: Wednesday, April 13, 18.00-19.30
Language: English
Venue: The library of the Institute of Latin American Studies, Stockholm University, house B, level 5.




1. Crise histórica: Econômica/ Política/ Social/ Ambiental /e de valores
2. Crise do modo capitalista internacional – Eles não têm saída à curto prazo. E a economia brasileira, periférica, subordinada a eles, paga também seu preço.
3. As Saídas serão prolongadas e conflitivas, pois dependem de articulação de um novo projeto/modelo.
4. O capital internacional e nacional vão disputar todas as possibilidades de acumular capital no Brasil. E suas prioridades serão apropriar-se do Petróleo (representa uma renda extraordinária de 200 bi de reais por ano) Minérios; previdência social (mercantiliza-la para se apoderar da poupança dos trabalhadores); energia elétrica (pois várias hidrelétricas poderão ser privatizadas com renda extraordinária) e ainda privatização de diversas empresas e bancos públicos transformando-as em sociedades anônimas e por último privatizar serviços públicos que podem dar lucro na educação. Saúde,etc)
5. Precisamos construir um projeto da classe trabalhadora pra toda nação – (que acumule para as transformações estruturais da sociedade)
6. Na luta de classes, a classe trabalhadora depende do processo e da necessidade de reascenso do movimento de massas: E com reascenso teremos, novas formas de luta; novos líderes e novas formas de organização.


1. Construir uma Frente Ampla das forças populares com unidade dos setores estratégicos.
a) A Frente Brasil Popular enfrenta alguns limites
b) Desafio: enraizar na base

2. Construir um Programa mínimo que seja capaz de mobilizar as massas.
- Que proponha o Brasil que queremos. Hoje está muito resumido em: Democracia, Direitos das/dos trabalhadores, Soberania nacional (sobre petróleo, minérios).  Precisamos incluir o tema da reforma política e da necessidade de convocar uma assembléia constituinte.

3. Construir novos métodos e novas formas de condução e de fazer política.
- Sem hegemonismos, protagonismos, com democraciaparticipativa,etc. .

4. Construir um Projeto Popular para o Brasil, como programa estratégico que contribua na construção do socialismo.
a)Formar um grupo com representante de diversos setores, como intelectuais orgânicos, dirigentes para sistematizar o acumulo que existe na classe e na sociedade.
b) Praticar a Pedagogia de massas, usando o projeto para construir com a base social, corrigi-lo e motivar as massas a lutarem..

5. Retomar a formação política e ideológica para avaliar a Luta de Classes corretamente.

6. Construir um novo núcleo de direção política da classe trabalhadora.


1. A Luta de Classes se acirrou na sociedade
a)Há uma disputa de cada espaço e a sociedade está muito dividida.
b) Acabou o centro;a conciliação de classes.

2. Objetivos da direita/dos capitalistas
a)Anular o governo Dilma
b) Derrotar o PT e a Esquerda como proposta de sociedade.
c) Desgastar a possibilidade de ter Lula como candidato forte em 2018.
d) Recolocar o projeto Neoliberal e subordinado aos EUA.
e) E nesse bojo ir reimplementando um projeto neoliberal pro país.

3. Direita está dividida em sua direção política, entre os seguintes pólos, que podem se aglutinar ou disputarem entre si:
a) Frente Partidária:- PMDB/PSDB/DEM, mas os partidos não tem representatividade na sociedade apenas controlam as máquinas institucionais.
b) Há o Poder econômico – das empresas (tem também varias fracções entre eles)
c) Núcleo ideológico: MPF + PF + Moro + Globo(agem por motivação político-ideológica e sem articulação com as demais frentes.
d) Essas divisões nas articulações deles podem levar a diferentes despechos para a crise política, que pode ser: Câmara aprova afastamento e assume Temer; TSE aprova afastamento de toda chapa e ai teríamos eleições em 90 dias; parlamentarismo;  
e) ou também podem ser derrotados nas saídas institucionais, e a operação lava-jato seguir seu curso colocando muitos políticos na cadeia..

4. A extrema direita ganhou espaços de influência ideológica na atual conjuntura, seja nas manifestações e nas redes (Bolsonaro e etc.)

5. A influência da pequena burguesia que foi às ruas está atingindo também a classe trabalhadora, em especial a juventude, ou os desorganizados, pela mídia e pela hegemonia do debate que está posto na sociedade.

6. Ida do Lula ao Governo pode representar uma sobrevida ao governo.
a) Governo Dilma está fragilizado, sem forças, pagando pelos seus próprios erros.  De querer agradar a oposição e não priorizar sua base social.
b) Pode recolocar a aliança com o PMDB, em contraposição ao PSDB.
c)Pode gerar mudanças na política econômica.
d) Pode reanimar a classe trabalhadora a ir para a rua, se ela perceber mudanças.

7. Se o Governo cair vai haver criminalização dos movimentos sociais e populares, começando pelo MST.
8. As ações de massa serão fundamentais agora para barrar a direita.
a) Seja agora nas mobilizações marcadas para 18de março/ 31 de março/ 7 de abril
b) Seja como pratica política de poder demonstrar unidade e força e conter o avanço da direita.


1. Precisamos ir debatendo na FBP e com aliados a necessidade de avançar nas paralisações e mobilizações para enfrentar o capital.
2. A esquerda e as mobilizações devem dar resposta à conjuntura e enfrentar a Globo, que é hoje o centro da direção político-ideológica da direita..
3. A classe trabalhadora/FBP precisa ter uma pauta mais clara, um Plano de Emergência para além da defesa do Governo, para dialogar com as massas, explicar a disputa de projetos, entre a volta do neoliberalismo ou avançar mais alem do neo-desenvolvimentismo.
4. Melhorar as formas de se comunicar com as massas. Denunciando também a corrupção de todos e exigindo mudanças na política econômica, e nas políticas publicas que melhorem as condições de vida da população.
5. Construir um núcleo de direção política da classe trabalhadora, que consiga dar respostas e organizar a turma para o momento atual.
6. Como a classe trabalhadora como um todo vai reagir, se houver uma vitoria política da direita nas saídas institucionais e a saída do governo Dilma e derrota do lula?


1. Precisamos analisar e interpretar a luta de classes. Para que a militância e a nossa base social entendam o que esta acontecendo e a disputa real de projeto.
2. Como preparar a base para as ações de massa, num quadro de acirramento de luta de classes, que pode demorar dias ,semanas, meses e ate anos...  Ou seja, as conquistas reais de solução dos problemas enfrentados estarão mais demorados....
3. Preparar e formular um debate sobre a necessidade de formas de segurança, dos dirigentes e das estruturas.
4. Redobrar os cuidados nas questões administrativas.
5. Participação ativa nas mobilizações de 18 e 31 de março, 7 de  abril e outras mobilizações unitárias que a FBP programar . Devemos dar um sinal para a sociedade e para a direita que temos unidade e estamos organizados e temos Projeto.
6. Na jornada de 31 de março priorizar os municípios do interior e as prefeituras. Envolver o povo.
7. Ajustar a tática da jornada de abril e concentrar numa semana. Identificar os alvos corretos e que ajudem a resolver os problemas concretos de nossa base.

Lennart Kjörling
Helgagatan 36E
118 58 Stockholm
0708-927 034